segunda-feira, 13 de setembro de 2010

I am Pango!

Em três meses morando no exterior, achei que já tinha vivido algumas emoções intensas e que meu livro de aventuras já tinha ganhado vários capítulos. Isso eu pensava. Até que na última quarta-feira fui protagonista de um verdadeiro conto policial irlandês, com direito a mocinha, bandido, herói e até atriz coadjuvante. Consegui ser assaltada em plena Europa, e o mais inusitado de tudo, recuperei tudo novamente.
O fato aconteceu na tarde da última quarta-feira numa das principais ruas de Dublin, quando a mocinha pango estava saindo de uma loja abandando inocentemente a carteira na mão, conversando com a amiga, igualmente pango. De repente o bandido surgiu correndo entre a mocinha e a amiga e arrancou a carteira de suas mãos. O que qualquer mocinha faria nesse caso? Gritaria. O que a mocinha pango fez? Correu desesperadamente atrás do ladrão, gritando ‘para’ em bom português. Sim. Correu cerca de uma quadra atrás dele, como se ao alcançasse fosse conseguir fazer algo.
Uma pangozice atrás da outra, mas para o final feliz do conto irlandês, apareceu um herói na história. Sem cavalo branco, num Nissan vermelho mesmo. Ao ver a situação o herói irlandês jogou o carro em cima do bandido, que se assustou e jogou a carteira de volta em cima do carro dele. Restou à mocinha juntar seus bens e agradecer infinitamente ao herói. Caso resolvido e mais uma história pra contar.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Trabalha Ane, trabalha!


Currículo? Diplomas em Jornalismo e Relações Públicas. Experiência? Trabalhei em uma agência de publicidade e uma emissora de televisão. Inglês? Bom. Aceita trabalhar em uma fábrica como empacotadora? Claro. E assim começou minha aventura de um dia como operária na Europa.
Trabalhar sempre esteve nos meus planos de viagem, mas como trouxe na mala meu cofrinho de economias, que ainda existe, tive um pouco de segurança financeira aqui do outro lado do oceano e a oportunidade de ficar dois meses aqui estudando, planejando viagens e claro pensando no futuro. Mas como ‘camarão que dorme a onde leva’, como já diria minha amiga Carol, achei que o tempo de descanso planejamento devia ser encerrado e que esta mais do que na hora de trabalhar.
Na Irlanda são muito comuns os empregos temporários, onde empresas contrataram para eventos ou para trabalhar algumas horas. E foi atrás de uma dessas oportunidades que eu e mais alguns amigos brasileiros nos mandamos pra Dublin 24 (os bairros da cidade são classificados por números ) atrás de uma vaga. Sapatos de segurança, colete luminoso, ficha preenchida e treinamento para começar a trabalhar uma hora depois. Fomos mandados para uma fábrica. O trabalho: empacotar uísques que seriam mandados para os Estados Unidos.
Em uma mesa imensa quatro grupos de pessoas faziam todo o processo de empacotamento. Primeiro operário: colocar os copos. Segundo operário: a garrafa. Terceiro operário (ANE): Montar a caixa. Quarto operário: Fechar a embalagem. Supervisor passando, horas não passando. O processo que no começo se resumia na briga em montar a embalagem, logo se transformou na analise de todo o processo. Era impossível não lembrar as aulas de Relações Públicas e não me sentir protagonista de um filme de Charles Chaplin.  
5 horas de trabalho. 40 euros. Sapatos de segurança. Duas barrinhas de chocolate. Colete luminoso. E uma realidade completamente desconhecida: ser operária por um dia. Quem sabe o Obama ainda não toma um dos uísques que embalei na Irlanda?
 Sapatos de segurança e operárias brasileiras

sábado, 28 de agosto de 2010

Bloqueio total

Quando pensei em fazer o blog contando minhas pangozices do outro lado do oceano, achei que assunto não iria faltar. E, realmente não faltou, nesses dois meses na Europa já comprei vários tickets aéreos, peguei um avião pra Edimburgo na Escócia, entrei num trem pra Belfast na Irlanda do Norte e conheci paisagens de tirar o fôlego em Dublin. Nesse período freqüentei mais de 90% das aulas de inglês (um orgulho!), aprendi novas palavras, consegui me comunicar com italianos, coreanos, mexicanos... Conheci novos amigos que vou levar pra vida inteira, tomei várias pints de cerveja, descobri novos lugares pra sair, acumulei recordações, usei todos meus vestidos da minha mala ‘Summer’, apesar da temperatura aqui se manter entre 10 e 18 graus. Tirei quase 1000 fotos na Irlanda, fiz cinco brownies de chocolate com morango e, a pedidos, várias panelas de polenta. Aperfeiçoei meu lado cozinheira, aprendi a driblar com a rotina, a independência e a saudade. Passei por duas TPMs, muito bem curadas com potes de Nuttela a beira do Rio Liffey ou com conversas na mesa da cozinha. Achei um time de futebol feminino pra jogar, comprei roupas na Grafton, ganhei uma taça de champagne, comemorei muito bem meu aniversário, fiz pangozices diárias e me peguei várias vezes rindo que nem uma idiota andando sozinha na rua.
Mas quando parava pra passar tudo isso pro blog eu simplesmente travava. Bloqueio total e inexplicável. Era uma mistura tão grandes de emoções, de mudanças e de ansiedade, que eu simplesmente não consegui traduzir isso em palavras. E o bloqueio não foi só no blog, foi em minhas decisões também. Não consegui definir um curso de pós ainda, o que estarei fazendo em outubro e, muito menos, o quero fazer ano que vem. Eu que sempre fui ‘a cara do planejamento’, me vi sem planos e aceitei o bloqueio e a insegurança como meus parceiros de viagem. 
Primeiro passo de mudança? Espantar o bloqueio pra longe. Na lista de medidas: 1. Decidir o curso de pós. / 2. Decidir o que fazer e aonde ir ano que vem./ 3. Escrever no blog. Faltam duas!

segunda-feira, 12 de julho de 2010

É amigo, é copa do mundo!


Infelizmente não deu para comemorar o Hexacampeonato do Brasil em terra Irlandesa. Trova não falto nos duendes, mas nem eles levaram sorte para o Brasil! Agora, que venha 2014 e a comemoração no Rio! E já que estava do outro lado do oceano, entrei no clima e torci pela primeira vez pra um time com uma camiseta vermelha. Primeira e última vez, que fique bem claro. Com um mar de espanhóis espalhados por todos os pubs da Irlanda ficou impossível não entrar no clima e ser mais uma cantando: “Espanha inteira se vas a borrachera”.
Claro, que os mais animados da torcida eram os brasileiros. Entre os cantos espanhóis, sempre surgia um grito de Brasil ou até o hino do Rio Grande do Sul pelos mais entusiasmados. Festa na África do Sul, festa nas ruas de Dublin. Aliás, comemorar vitórias no esporte aqui é muito comum. O diferente é o tipo de esporte. Os irlandeses são fanáticos por Hurling e por Rúgbi, lotando o estádio em finais de temporada, realizadas no Croke Park. O estádio, que por acaso fica localizado ao lado da nossa casa em Dublin, tem capacidade para 82.300 pessoas, sendo o terceiro maior da Europa.
De futebol, pouco se fala na Irlanda. Mas uma copa do mundo com certeza muda qualquer programação esportiva. Mesmo sem a seleção irlandesa no campeonato, a torcida se uniu para assistir ao espetáculo proporcionado pelo esporte e, obviamente, torcer “contra” a França. E com gente de toda parte do planeta em Dublin, a comemoração era certa, não importava o lado que ganhasse, afinal, é copa do mundo!   
video
 Torcida Espanhola em Pub!
video
Brasileiro não perde uma festa!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Adaptação a Irlanda brasileira.

Duas semanas e nenhuma publicação no blog. O motivo: A adaptação. As primeiras semanas em Dublin exigiram um considerável esforço de ambientação. Foi necessário um extenso reconhecimento nos pubs, a entrada na torcida organizada brasileira para os jogos, participação em degustações de cerveja européia e city tour pelos pontos turísticos da cidade. Além das aulas de inglês, é claro, fundamental para a socialização com o povo irlandês.
Resultado da adaptação: “Tô me sentindo de casa”. Tanto que até o chimarrão e a camiseta do grêmio são presenças certas nas programações, fato que acontece quando metade da aula de inglês também veio do sul do Brasil. Se sentir em casa também fica fácil ao caminhar pelas ruas de Dublin, onde o familiar português sempre surge na conversa ao lado.
E nos dias de jogos da seleção o número de brasileiros triplicava. É amigo, é copa do Mundo! Era difícil descobrir quem era brasileiro de passaporte, porque camiseta do Brasil tinha por todos os lados. No último jogo até franceses apareceram vestindo a verde e amarela. A concentração e a festa da torcida brasileira em Dublin foram no Odeon, pub no centro da cidade. Cerveja por quatro euros, axé, sertanejo e no cardápio, coxinha de galinha. O inglês só era falado ao chegar ao balcão: One pint, please?
Adaptação 10, Inglês 0. Conseqüências de achar um pedaço do Brasil na Irlanda: Não praticar o inglês. O que agora me obriga a estudar mais e me disciplinar para falar mais inglês, tanto com irlandeses, como com brasileiros. Próxima adaptação: Me sentir em casa falando inglês. 


video video

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Oito graus, primavera em Dublin!


Quatro dias de passeio em Paris. Pulos em cima da mala na tentativa de fechá-la novamente e táxi para o aeroporto Charles de Gaulle. Destino: Dublin. Agora a parada é um pouco maior, no mínimo três meses de curso de inglês e, se possível, passeios pela Europa. Descida na capital irlandesa, primavera muito esperada e oito graus de temperatura, o que me fez descer as escadas do avião puxando desesperadamente qualquer casaco da bolsa e ficar completamente confusa sobre o clima mundial. Que era frio eu já sabia, mas oito graus na primavera?
A ida para o centro de Dublin foi o momento de iniciar o plano de fuga para a praia mais próxima, que tivesse altas temperaturas e muita água de coco. Não tem nada de errado com um inverno com temperaturas abaixo de zero, mas se eu quisesse um ano inteiro gelado tinha comprado passagens pra Islândia. Chegada em casa, um sono de quatro horas e preparação para passear em Dublin. Bolsa, mapa, máquina fotográfica e, claro, casaco e manta. Na volta já tinha um compromisso agendado, olhar passagens aéreas para qualquer lugar aonde a temperatura chegasse pelo menos aos 25 graus.
Duas horas da tarde, hora de sair de casa. Pé na calçada e lá vem o sol. Apesar do vento, com certeza a temperatura havia subido. Manta tirada. Caminhada pelas principais ruas da cidade, charmosas e cheias de prédios antigos, algumas delas com calçadões somente para pedestres. O Rio Liffey logo apareceu cheio de raios de sol, cortando a O’Connell Street. Casaco guardado na bolsa.  A rota de fuga para a praia logo foi esquecida na chegada ao parque Stephen’s Green. O sol, a grama e os lagos formavam o cenário perfeito de primavera. Irlandeses e turistas se esticavam em todas as áreas do parque, aproveitando o calor que já chegava aos 20 graus. Procurei o banco mais próximo e sentei, aproveitando o cenário que a cidade me proporcionava: Bem-vinda a Dublin!

domingo, 20 de junho de 2010

Anonymus Gourmet França!

Viajar é conhecer pontos turísticos, saber mais sobre história, conversar com pessoas de outras culturas e também provar da gastronomia local, item este ao qual meu lado “gordinha tensa” adora nas viagens. Em Paris, as belas pâtisseries, brasseries ou creperies enchem os olhos e a barriga dos turistas. As pâtisseries, lojas especializadas em doces e salgados são irresistíveis já na vitrine, com embalagens e doces expostos. E ao entrar nelas, prepare-se para uma invasão de aromas e uma vontade incontrolável de levar todos pra casa.

Vitrine de uma Pâtisserie no centro de Paris!


Nas brasseries, a gastronomia vai se misturando à paisagem parisiense, onde é possível pedir pratos com carnes, massas ou sanduíches e degustá-los nas mesas distribuídas em calçadas ou espaços ao ar livre. Aliás, comer em frente a belos cenários parece ser um costume na França, onde na hora do almoço os parques ficam lotados de franceses devorando um baguete, conhecido sanduíche da gastronomia do país. O que me fez correr a brasserie mais próxima, comprar um baguete por seis euros, sentar no Jardim de Tulieres em frente ao Louvre e me sentir uma legítima francesa.
Por fim, ao lado de qualquer ponto turístico em Paris estão as creperies, pequenos locais junto a brasseries onde se podem encontrar os deliciosos crepes. Diferentes dos do Brasil, aqui são parecidos com panquecas dobradas. Primeiro a massa é espalhada em um disco e após ser virada, recebe o recheio, sendo dobrada em quatro partes. O crepe mais pedido, com certeza fica na lista dos doces, Nutella com geléia de morango. Provar da gastronomia francesa, com certeza, faz qualquer turista falar: VOLTAREMOS!


video

video